Por Geoffrey Smith

Investing.com — O salto do dólar pós-Fed enfraquece à medida que outros bancos centrais ao redor do mundo também não alteram as taxas.

O presidente Trump pressiona os republicanos do Senado a votarem por mais estímulos; pedidos iniciais de seguro-desemprego e novas construções de moradias irão lançar luz sobre o que tem sido recentemente as partes mais fracas e fortes da economia dos EUA, e os ministros da OPEP + se reúnem para revisar seu acordo sobre a restrição da produção.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 17 de setembro.

1. Salto pós-Fed do dólar diminui

O dólar perdeu a maior parte dos ganhos que obteve em resposta à inação do Federal Reserve na quarta-feira, quando os investidores adotaram a narrativa de maior tolerância à inflação pela autoridade monetária como sendo um fator negativo de longo prazo para o dólar.

O dólar subiu e os ativos de risco caíram depois que o Fed não deu qualquer indício de quando poderia aumentar suas compras mensais de títulos para dar mais suporte à economia. Isso apesar da sinalização de que as taxas de juros dos EUA devem permanecer próximas de zero até 2023.

Às 8h23 (horário de Brasília), o Índice Dólar, que acompanha o dólar contra meia dúzia de moedas do mercado desenvolvido, estava de volta a 93,22, mais de 0,3% abaixo de sua máxima noturna.

O movimento foi ajudado por evidências de que a tendência global de política monetária mais flexível está em pausa. Indonésia, Taiwan, Brasil e Japão deixaram suas principais taxas de juros e outras ferramentas inalteradas nas reuniões nas últimas 24 horas, enquanto o Banco da Inglaterra também manteve as taxas em sua declaração pós-reunião na manhã de hoje.

2. Trump se apoia nos senadores republicanos

O presidente Donald Trump se apoiou no Partido Republicano para aprovar mais estímulos fiscais, em um esforço para quebrar um impasse no Capitólio que agora está afetando visivelmente a economia dos EUA.

Trump exortou os senadores republicanos a “buscarem os números muito maiores” levantados por um grupo bipartidário de legisladores da Câmara, que propuseram um pacote de estímulo de compromisso no valor de cerca de US$ 1,5 trilhão. Até agora, o Senado aprovou apenas US$ 650 bilhões em gastos extras para apoiar a economia até o outono, enquanto a Casa Branca sugeriu um pacote no valor de US$ 1,1 trilhão.

Em sua coletiva de imprensa na quarta-feira, o presidente do Fed, Jerome Powell, destacou novamente a necessidade de uma política fiscal para preencher uma lacuna na receita criada por medidas governamentais para conter a pandemia do coronavírus.

3. Ações devem estender as perdas com a decepção com Fed

Os mercados de ações dos EUA devem estender as perdas sofridas na quarta-feira em indignação com o fracasso do Fed em oferecer ainda mais estímulo. A decepção ainda não foi mitigada por pensamentos de que o tuíte de Trump poderia anunciar a aproximação de um pacote de apoio fiscal muito aguardado.

Por volta das 8h30, os futuros do Dow 30 caíam 228 pontos, ou 0,8%, enquanto os do S&P 500 caíam 1,1% e os do Nasdaq caíam 1,6%.

As ações provavelmente estarão em foco em um dia sem grandes publicações de balanços, incluindo a Snowflake (NYSE:SNOW), que mais do que dobrou em seu primeiro dia de negociação na quarta-feira, em um reflexo de como os investidores estão ansiosos para pular em qualquer história de crescimento. Também no centro das atenções estará a Oracle (NYSE:ORCL), cujo acordo de parceria com a TikTok nos Estados Unidos, supostamente, não satisfaz algumas das autoridades americanas que analisam os aspectos de segurança nacional.

4. Dados de pedidos de seguro-desemprego e moradia são esperados

Os dados semanais de pedidos de seguro-desemprego serão divulgados às 9h30, ao mesmo tempo dos dados de agosto para novas construções e licenças de construção nos EUA

Espera-se que os pedidos iniciais de seguro-desemprego tenham continuado seu declínio dolorosamente lento, com uma queda de apenas 34.000 para 850.000 na semana passada. Espera-se que os pedidos contínuos de seguro-desemprego caiam mais claramente para uma nova mínima pós-pandemia de 13,00 milhões, embora seja, como sempre, útil dar uma olhada no número total de pessoas que recebem de todos os programas relacionados ao desemprego, que permaneceram parados em mais de 29 milhões no lançamento da semana passada.

O alto desemprego contribuiu para a desaceleração do crescimento das vendas no varejo, visível nos dados de agosto divulgados na quarta-feira.

Os números do mercado imobiliário, por outro lado, devem ser muito mais fortes: o início de construções deve cair apenas marginalmente dos 1,496 milhão do mês passado, enquanto as licenças de construção devem chegar a 1,5 milhão pela primeira vez desde fevereiro.

5. Petróleo estável acima de US$ 40 enquanto ministros ‘Opep+’ se reúnem

Os preços do petróleo bruto estavam praticamente estáveis, depois de terem recuperado a marca de US$ 40 o barril durante a noite, devido a uma queda sólida nos estoques dos EUA e sinais de mais disciplina de produção dos principais exportadores do bloco da OPEP.

Às 8h34, os futuros do petróleo dos EUA subiam 0,2%, a US$ 40,26 o barril, enquanto os futuros do Brent subiam 0,3%, a US$ 42,34 o barril.

O chamado bloco de produtores Opep+ realizará uma reunião ministerial posteriormente para revisar os planos do grupo de aumentar gradualmente a produção. Os planos foram alvo de dúvidas nesta semana por duas previsões sombrias para a demanda global da própria Opep e da Agência Internacional de Energia.